Sponser

Memória: Por que é fraca? – Hermann Ebbinghaus

Filosofia
UPDATED: maio 26, 2018

Hermann Ebbinghaus foi o primeiro autor alemão na psicologia a desenvolver testes de inteligência e memória. Com 17 anos de idade, foi para a Universidade de Bonn para estudar filosofia, mas sua carreira foi interrompida em 1870 pela guerra franco-prussiana. Após completar os estudos, em 1873, mudou-se para Berlim e posteriormente para França e Inglaterra, onde encaminhou, em 1979, pesquisas sobre o seu próprio poder da memorização.

Os experimentos de Ebbinghaus com a memória demonstraram 6 pontos interessantes:

  1. O esquecimento é mais rápido nas primeiras nove horas;
  2. Conteúdos esquecidos podem ser reaprendidos com mais rapidez do que conteúdos novos, aprendidos pela primeira vez;
  3. Recordamos por mais tempo assuntos que continuamos a estudar após tê-los dominado;
  4. Conteúdos significativos são lembrados por cerca de dez vezes mais tempo do que conteúdos significativos ou aleatórios;
  5. Itens localizados próximos do início ou do final de uma série são lembrados com mais facilidade;
  6. Sessões de aprendizagem repetidas durante um intervalo maior de tempo intensificam a memorização de qualquer assunto.

Em síntese, ele chegou a conclusão que esquecemos dois terços do que aprendemos nas últimas 24 horas. Mas, qual o método que ele utilizou para chegar a esse resultado?

Ebbinghaus realizou os testes em si mesmo, e começou por memorizar listas de palavras, e depois verificava quantas conseguia se lembrar. Para evitar o efeito da associação, criou 2.300 sílabas que não formavam nenhuma palavra, todas eram formadas por três letras e estruturadas no formato de consoante-vogal-consoante, por exemplo: “ZUC e QAX”.

Com as sílabas formadas, ele dividi-as em grupos distintos e olhava por 15 segundos para cada grupo. Esse processo era repetido até que ele fosse capaz de de recitar uma série de sílabas com rapidez e precisão. Os testes foram realizados com listas de tamanhos variados e com diferentes intervalos de aprendizagem; cada vez que as realizava, anotava a velocidade em que ocorreu a memorização e do esquecimento.

Com isso, percebeu que era mais fácil memorizar conteúdos que continham um sentido; poemas, textos e músicas, do que conteúdos que não tinham qualquer relação entre si.

Em relação ao esquecimento, constatou que tendia a esquecer com menor rapidez aqueles conteúdos que passou mais tempo dedicando em memorizá-los; e que a reprodução do que foi memorizado era melhor logo após o aprendizado.

Portanto, Ebbinghaus demonstrou que estudar e aprender determinado conteúdo durante uma hora é mais eficiente, uma vez que a retenção é mais duradoura e tem maior facilidade para relembrá-lo.

Assim, da próxima vez que for estudar, lembre-se das dicas e conclusões alcançadas por Hermann Ebbinghaus e tenha mais sucesso nos seus estudos!

Recommended For You

2 thoughts on “Memória: Por que é fraca? – Hermann Ebbinghaus

  1. My spouse and I absolutely love your blog and find nearly all of your post’s
    to be just what I’m looking for. Would you offer guest writers to write
    content to suit your needs? I wouldn’t mind creating a post or
    elaborating on a few of the subjects you write with regards to here.

    Again, awesome site!

    1. Leonardo Di Gianni disse:

      Thanks for your message! We´re looking foward to guest writers to post on our blog. You can contact us by our e-mail, so then we can ajust how we do it. Thanks for your support!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *